Skip to content

Conheça o ClubHouse, a nova Rede Social

Clubhouse a nova rede social
Francesca Marcilio

Francesca Marcilio

Diretora da Begin Marketing de Relacionamento e especialista em Marketing, com MBA pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é Bacharel em Relações Públicas pela Universidade de Caxias do Sul (UCS), tendo recebido a Láurea Acadêmica por suas excelentes notas e a Medalha Dolaimes Stedile Angeli, Mérito Relações Públicas.

Apesar de existir desde abril de 2020, foi somente no início de 2021 que o ClubHouse, criado por um executivo e um engenheiro do Vale do Silício, se tornou popular. O uso do aplicativo para iOS explodiu depois que algumas celebridades, como Oprah Winfrey e Elon Musk, começaram a fazer parte e participar. A rede social, que em maio de 2020 tinha 1.500 usuários e valia cerca de 100 milhões de dólares, agora tem mais de 6 milhões de inscritos e valor de mercado estimado em 1 bilhão de dólares, o que a coloca no seleto grupo dos supervalorizados digitais.

O app se baseia em salas de conversas ao vivo, por áudio. Não há textos, nem fotos e nem vídeos. É uma plataforma simples e muito interessante, pois dentro dela existem grupos de diversos assuntos onde você entra como ouvinte, moderador ou como um dos locutores da sala. Assim, a rede se organiza em salas de bate-papo para os mais diversos temas, como: negócios, marketing, literatura, saúde, viagens, música, entre outros tantos.

Existem muitos curiosos entrando na rede para conhecer e entender a plataforma, inclusive celebridades, influenciadores e grandes empresários. O legal é que você pode participar de grupos e, em alguns deles, tem a chance de interagir e tirar dúvidas diretamente com grandes players, podendo assim trocar ideias sobre seu mercado.

Tela de smartphone exibindo listagens de salas do Clubhouse

Qualquer participante pode criar uma sala, sobre o assunto que quiser, mas é importante que o assunto seja atrativo, pois, se não for, é provável que a pessoa fique sozinha na sala. Geralmente as pessoas procuram por salas mais estruturadas, sobre assuntos interessantes. Se você criou uma sala, você vira o moderador e pode selecionar alguns ouvintes para participar como locutores. Caso algum ouvinte queira falar e você ainda não o adicionou como locutor, ele poderá levantar a mão e ser selecionado para fazer alguma pergunta ou expor sua opinião. Se você entrou na sala de outra pessoa, você entra como ouvinte e se quiser falar é só levantar a mão e aguardar a liberação.

Você também pode agendar dia e horário da sua sala para divulgar com antecedência e assim ter mais pessoas no momento da conversa. As conversas não são gravadas, e se você não estava na sala, não terá como saber o que foi falado. O limite máximo de membros para o bate-papo é de até 5 mil participantes até o momento, e os clubes não ficam mais visíveis na plataforma assim que os chats ao vivo terminam.

Por enquanto, somente usuários de iPhone conseguem baixar o aplicativo, que ainda não está disponível para Android. Neste momento, apenas quem tem convite pode se cadastrar no Clubhouse. Ou seja, você entra somente através de convite enviado por alguém que já é usuário. Cada usuário pode convidar duas outras pessoas, e conforme ele for participando das salas e discussões, vai ganhando mais convites com o tempo.

O formato é bem diferente do que estamos acostumados, mas a fórmula de oferecer salas de áudio, onde as pessoas ficam falando como se estivessem compartilhando conhecimento (como em um congresso), atrai curiosos e pessoas interessadas em aprender sobre determinados assuntos. O mais interessante é que algumas empresas já estão começando a ver a ferramenta como uma plataforma de debates, como por exemplo a Audi, que já promoveu uma sala com proprietários, executivos e convidados para discutir sobre “A Era dos Carros Elétricos”.

Tela de smartphone exibindo perfil de usuário do Clubhouse

Apesar de ser uma rede social recente, algumas funcionalidades do Clubhouse podem ser encontradas em outros apps de conversas, como por exemplo o Telegram, que recentemente adicionou um novo recurso nos chats em grupo que permite criar conferências de áudio. Assim, os usuários ainda podem utilizar as outras funções do aplicativo, e os chats de voz não são excluídos automaticamente após as discussões, além de possibilitar grupos com mais de 200 mil membros. O Twitter também anunciou recentemente um novo recurso para o microblog chamado de Audio Space, que vai permitir chamadas de voz na rede social. Além deles, outra opção de aplicativo de chamadas de voz que também permite participar de canais e servidores em grupo é o Discord.

Enfim, as pessoas estão descobrindo o ClubHouse agora e as possibilidades são inúmeras, mas só o tempo dirá se os usuários vão conseguir transformar esta ferramenta em algo realmente produtivo e interessante. E você, já faz parte do ClubHouse? O que achou? Conta pra gente!